<BODY>
Lady Gwen
 

Arquivos

Home
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Outubro 2007
Maio 2009

Template by Theya





quarta-feira, 31 de maio de 2006

Interessante...

façam meia volta e vão pro diabo que os carregue!

Enviado por Ban às 11:32


terça-feira, 30 de maio de 2006

Dramalhão Mexicano!

Diminuem as luzes, silêncio pra então começar tocar baixinho Steel loving you do scorpions.
Close nos olhos vidrados de emoção.
Lábios entreabertos pra não faltar sensualidade à cena, e...
Tcha-tchan-tchan-tchan! As lágrimas começam a descer:

Minha febre não passou, eu queria colo, mãozinha na testa e abraço macio. Queria voz de veludo no ouvido dizendo que me ama e que eu vou ficar legal.



Vou acabar acreditando que eu to mesmo frágil... Vai-te pra porra!




♪Me liga, me manda um telegramaaaaa, uma carta de amôôôôr, de aaaamôôôr!♪

Enviado por Ban às 17:17


sexta-feira, 26 de maio de 2006

eu sou assim!

Nada mais nordestino que farofa...
...acompanhada de café.

que adorar ver a chuva cair do céu, sentir seu cheiro e suas gotas escorrendo pelo corpo

que ver um campo verde e suspirar

que Roque Santeiro

que Elba Ramalho, Geraldo Azevêdo, Zé Ramalho, Xangai, Edgar Mão Branca e Luiz Gonzaga

que vaqueiro

Nada mais nordestino que a esperança...

que cemitérios lotados.







Nada mais nordestino que gente retada, que chora, que grita, que ri...

...que faz isso tudo ao mesmo tempo!, sem medo, sem vergonha, sem pudor!

Nada mais nordestino que coragem...

que sujeitos sem artigos

que forró

que pamonha
que chiringa
que fogueira de são joão
estrala salão
que benzedeira


fogos em noite de estrela
barulho sem eira nem beira
sorriso de menina
poemas sem rima

Nada mais nordestino que barulho de facão

cavalo à galope

mosquito no crepúsculo

jantar à luz de candeeiro

leite tirado na hora

chibarada de rabo de vaca

casinha de mata-pasto

esterco pra matar muriçoca

coalhada

requeijão

champurrião

chamar avó de mãe

avô de pai

rir pra fazer xixi

que curral pras vacas
desengasgar pato
tirar espinho de algaroba da sola do chinelo
fazer carrinho de lata
pneu de chinelo havaianas
tirar bichinho de porquinho
cair de jumento





Andar com pedra na cabeça como promessa pra chuva


chupar umbu
que casinha de enchimento
comer piqui
rapadura...
Lampião e Maria Bonita!








Nada mais nordestino que essa saudade que eu to sentindo aqui, agora...

Ainda estou no nordeste, mas não no sertão... Não em minha terra. Onde fincaram minhas raízes que eu arranquei pra vir pra cá, descobrir e desbravar o mundo - como todo bom nordestino!


Mas é lá que o céu é mais estrelado, aonde os vizinhos vão pra porta cedo do dia pra sair da novidade da noite, onde as pessoas ainda são gente e a maldade, mesmo que exista, passa de longe, do lado de fora da janela!





















é lá que eu ouço José Carlos Araújo num moto-rádio...












E é lá onde o céu é mais estrelado, e as árvores, apesar de secas, dão mais frutos.

Enviado por Ban às 20:22


Morte

Sempre existiu, sempre existirá - desde que o mundo é mundo - mas uma coisa é tão certa quanto ela: Nunca nos acostumaremos...

...e eu sempre morrerei de medo!

Enviado por Ban às 10:14


quinta-feira, 25 de maio de 2006

onde se lê, Lê-se...

Onde se lê espero que eu possa fazer a prova em salvador, Lê-se tomara que eu seja convocada pra Manaus!
He he

Enviado por Ban às 16:07


(...)

Acabei de imprimir o boleto de 35,00R$ da inscrição pra o concurso da Anatel.
Cruzem os dedindos por mim em duas coisas:

i. que eu possa fazer a prova em salvador
ii. que eu passe, bóvio!

Enviado por Ban às 11:24


quarta-feira, 24 de maio de 2006

Simplesmente Rubem...

‘Á uns tempos atraz, o M. Castro escreveu uma cronica sobre os brincos da infancia. Falou sobre cirandinha, amarelinha, boca de forno, esconde-esconde, etc etc. Muito bem, e no final como sempre, ele pendurou no poste: Saudosista é a vovósinha.

Alem de ele ser saudosista, ele é tal qual voce, faz a gente voltar ao passado. Exemplo: a Casa e o Fogo, me fizeram voltar ao passado, muitos anos atraz. Tenho 86 anos, e hoje sou azilada. Lendo seus escritos, voltei ao passado. Aquela casa já foi minha nos idos de 29. Pau a pique e coberta de sapé. Quanta recordação que voce me trouxe. Quase fugiu da memoria, e voce veio fazer surgir á tôna, muito sofrimento e trabalho, mas tambem alegrias. Eu era quase uma menina. Tinha que buscar lenha no mato, fazer pão e acender aquele forno enorme para assa-lo. E na minha inexperiencia, quaze sempre saia ruim. As vezes nem crescia. Morava no Salto do Pinhal, onde havia usinas eletricas que forneciam luz para as fazendas visinhas. Lá havia uma cachoeira, era o rio Mogi-Guaçu. Aquele caudal de agua que caia sobre as pedras, levantando espumas, tal qual as nereidas do mar. Rugia dia e noite embalando o nosso sono, pois ficava em frente a janela do quarto. E nas noite enluaradas e o céu cheio de estrelas, sem a poluição atual, ela se tornava um caudal luminoso. Como era lindo! No tempo da piracema, os peixes pareciam ter asas, eles saltavam a cachoeira para a desova.
...
As vezes as letras saem meio tortas, porque não tenho mesa para escrever, escrevo em cima de um caderno de capa dura e no colo. Dina de Sousa.’

Dina, querida, você é uma menina! Se havia alguma coisa me fazendo sofrer, lendo sua carta eu sorri e ri – como estou rindo agora! – e fiquei curado. Você escreve muito gostoso. Já li sua carta muitas vezes e a li também para o grupo que amigos que se reúnem comigo às 3as. feiras para ler poesia. Sua carta é poesia. Aqueles peixes com asas, a revoada dos tangarás... Poesia e sabedoria! Que bom que você existe! Não tenho fotografia sua. Se tivesse faria o que você faz com as fotos do Moacyr Castro: daria um beijo nela! De qualquer forma, estou dando um beijo em você – mesmo de longe! Rubem (Correio Popular, Caderno C, 18/03/2001)



Recomendo...

Enviado por Ban às 10:39


segunda-feira, 22 de maio de 2006

Andarilhos IV

Er... EU TENHO CORAGEM!

Sou a contrapartida deste conceito, talvez pessimista, da palavra andarilho, mas, em condensação, sou o exemplo... Hum, me deixa checar: pulso Ok, respiração Ok, temperatura Ok... Ah, agora sim posso dizer que sou o exemplo vivo deste conceito.


Andarilho no Aurélio:
i. que ou aquele que anda muito, percorre muitas terras ou anda de forma erradia;
ii. lacaio que acompanhava a pé os amos que viajavam de carruagem ou a cavalo;
iii. portador de cartas ou de notícias.


Existem andarilhos pra todos os gostos, credos e atitudes. Existem até bem mais, existem os que desconhecemos, mas existe um tipo em particular que me faz querer citar Pierre Lèvy que em "O que é o Virtual" rodou, rodou, rodou (ou, se preferir, andarilhou) nas suas quase 300 páginas pra simplesmente dizer o que a fé em um sentimento também já nos havia dito: O virtual é o real em potencial, ou seja, ele desmistificou a falsa oposição entre real e virtual.


Eu sei que é, e sei que vale a pena!


Visão otimista?


Não. Vivência.


A internet me deu mais que diversão e passa-tempo, ela me deu oportunidades, amigos e um amor. A internet me colocou em contato com eles e, juntos, quebramos a barreira que separa o real do virtual: Medo.


Sim, o medo de se decepcionar, de se machucar, de sofrer, de cair...
Mas, o medo é completamente descabido por que sem quedas não há arranhões, sem arranhões, não há cicatrizes e sem cicatrizes, não há memórias e sem memórias somos menos que nada...


Duas pessoas diferentes chegaram ao mesmo ponto em um assunto que gosto muito; o primeiro diz-me que tenho raízes e asas, e o segundo, também num sutil incentivo a me fazer sair da gaiola soltou que se eu não sair do chão, nunca descobrirei se sou capaz de voar.


E eu voei!


Uma, duas, três vezes!


E me encontro às voltas com o preparativo para o quarto vôo. Se será a ultima, não sei; como será o salto, também não! Mas não estou aqui pra questionar, estou aqui pra viver! Sou uma andarilha deste mundo real - que só foi fazer sentido depois que mesclado com o virtual.


Assim como eu farei em breve, este post, também andarilho, pede licença e muda de pouso!

Enviado por Ban às 12:23


sábado, 20 de maio de 2006

De volta...

...ao ponto de partida!

Enviado por Ban às 21:48